Produção de espermatozoides: você sabe como ocorre?

Produção de espermatozoides: você sabe como ocorre?

A produção de espermatozoides consiste no processo de formação do gameta sexual masculino, ou seja, na criação da célula reprodutora do homem. Neste sentido, o espermatozoide, que carrega o material genético paterno, tem como função a reprodução humana através da fecundação do óvulo. Isto acontece a partir do encontro dos gametas masculino e feminino formando o zigoto, que posteriormente vai gerar um bebê.

Sendo assim, o processo de produção de espermatozoides, chamado de espermatogênese, inicia na puberdade, por volta dos 12, 13 anos, e segue por toda a vida, diminuindo na velhice. Desta forma, a partir momento que o homem produz espermatozoides ele se torna fértil.

Produção de espermatozoides e o sistema reprodutor masculino

O sistema reprodutor masculino é um conjunto de órgãos que desempenham papel importante na reprodução humana. Neste sentido, ele é responsável pela produção dos espermatozoides capazes de fecundar o óvulo e gerar uma nova vida. Além disso, este sistema complexo também produz a testosterona, hormônio masculino ligado ao crescimento da barba, engrossamento da voz, aumento da massa muscular além de atuar na fertilidade masculina.

Também chamado de sistema genital, o sistema reprodutor masculino é composto por órgãos internos e externos como escroto, testículos, vesícula ou glândula seminal, próstata, ductos genitais (canais deferentes, epidídimo e uretra) e pênis.

Sistema Reprodutor Masculino

Bolsa Escrotal:

O escroto é uma bolsa de pele frouxa, que tem como função suportar os testículos. Por se localizar fora da cavidade abdominal, o escroto é capaz de manter a temperatura dos testículos abaixo da temperatura corporal, o que é fundamental para a produção dos espermatozoides. Em algumas condições, como exposição ao frio, o músculo cremaster, que se insere no escroto, eleva os testículos impedindo o seu esfriamento, o que também ocorre durante a excitação sexual.
 

Testículos:

Os testículos são glândulas sexuais masculinas, localizadas no interior da bolsa escrotal. São formados por milhares de tubos finos e enovelados, chamados túbulos seminíferos, onde acontece a produção de espermatozoides, processo conhecido como espermatogênese. Além disso, também é nos testículos que se encontram as células intersticiais ou células de Leydig, que produzem o hormônio testosterona.

Vesícula ou glândula seminal:

As glândulas seminais são duas glândulas em forma de bolsa que atuam na produção do sêmen. Além disso, elas produzem um líquido denso que nutre os espermatozoides e aumenta a sua mobilidade.

Próstata:

A próstata é uma glândula que complementa a produção do sêmen. Nesse sentido, ela produz um líquido de aspecto leitoso que neutraliza a acidez no canal da uretra, e na relação sexual, reduz a acidez natural da vagina, protegendo assim os espermatozoides até que entrem em contato com o óvulo.

Epidídimo:

Os epidídimos são dois órgãos formados por tubos enovelados, localizados junto aos testículos. Eles armazenam os espermatozoides até estarem completamente desenvolvidos.

Canais deferentes:

São canais responsáveis por guiar os espermatozoides do epidídimo até a uretra.

Uretra:

Esse tubo é o responsável por levar os espermatozoides ao meio externo, para fora do corpo. É o mesmo tubo que atua na eliminação da urina, porém tais funções não são realizadas simultaneamente. Além disso, o tubo sai da bexiga, se encontra com os canais deferentes e percorre todo o pênis.

Pênis:

Estrutura de forma cilíndrica, composta por corpos cavernosos e corpos esponjosos, que se situam em torno da uretra. Na extremidade do órgão encontra-se a glande que e é recoberta pelo prepúcio (pele). Além de facilitar a saída da urina, o pênis também tem a função de facilitar o processo da reprodução, sendo introduzido no interior da vagina. Quando estimulado, o órgão libera o esperma, dando a esse processo o nome de ejaculação.

Produção de espermatozoide: quais são as etapas desse processo?

A produção dos espermatozoides ou espermatogênese é a formação dos gametas sexuais masculinos que ocorre nos tubos seminíferos dos testículos. Esses órgãos ficam fora da cavidade abdominal, na bolsa escrotal, e possuem temperatura de até 1°C a menos do que a temperatura corporal, o ideal para a formação dos espermatozoides. Neste sentido, a espermatogênese ocorre em quatro etapas principais e pode durar de 64 a 74 dias. 

Multiplicação:

Nessa fase que inicia na puberdade, as células primordiais dos testículos, que darão origem aos espermatozoides, se multiplicam por mitose na parede dos túbulos seminíferos e formam as espermatogônia.

Crescimento:

As espermatogônias aumentam de tamanho e passam a ser chamadas de espermatócitos primários ou espermatócitos.

Maturação:

Nesta fase ocorre o processo de meiose. Os espermatócitos primários passam pela primeira divisão meiótica e dão origem a dois espermatócitos secundários ou espermatócitos II. Inicia-se, então, a segunda divisão meiótica, que origina duas espermátides.
 

Espermiogênese:

É o processo que converte as células espermáticas em espermatozoides. Neste sentido, a espermátide se alonga, seu núcleo migra para a região mais extrema da célula e formam-se o acrossomo e a cauda.

Após a formação dos espermatozoides nos túbulos seminíferos, eles são encaminhados ao epidídimo através de ductos deferentes. No epidídimo eles ganham mobilidade e ficam armazenados até serem eliminados na ejaculação.

Desta forma, quando o homem é estimulado sexualmente, os espermatozoides fazem uma “viagem” até a uretra por onde serão expelidos para fora do corpo. Neste sentido, eles saem do epidídimo e passam pelas glândulas seminais e pela próstata. Essas duas glândulas anexas produzem substâncias que nutrem os espermatozoides. Depois disso, ao passar pela uretra, os espermatozoides recebem também um líquido lubrificante produzido pelas glândulas bulbouretrais. 

Resumo sobre a produção de esperma

O conjunto formado pelos espermatozoides e os líquidos produzidos pelas glândulas seminais, pela próstata e pelas glândulas bulbouretrais é chamado de esperma ou sêmen.

É possível aumentar a produção de espermatozoides?

Poucos sabem, mas é possível aumentar a produção de espermatozoides em homens melhorando seu potencial reprodutivo. Neste sentido, estudos mostram que uma ejaculação fértil carrega cerca de 15 milhões de espermatozoides por ml de sêmen, sendo que a média do volume é de 1,5 a 5 ml por mostra. 

Sendo assim, vale ressaltar que a quantidade de espermatozoides varia de homem para homem o que é impactado pela saúde testicular, e pelos hábitos de vida de cada um. Desta forma, cuidados com a alimentação, vestimentas e estilo de vida podem potencializar a quantidade e a qualidade dos espermatozoides.

Alimentação:

Alimentos adequados contribuem para um esperma mais saudável e volumoso:

Evite comer gorduras.

A ingestão de gorduras, frituras e comidas processadas podem reduzir em até 30% a quantidade normal de esperma. Nesse sentido, prefira produtos ricos em proteínas, legumes e grãos integrais. 

Beba bastante líquido.

Estar bem hidratado é bom, tanto para a saúde geral quanto para a produção de esperma.

Diminua consumo de açúcar.

Estudos mostram que o açúcar também pode prejudicar a saúde do esperma.
 

Consuma alimentos que são fontes de vitamina C e E, zinco, selênio, betacaroteno e ômega 3.

Esses nutrientes ajudam a diminuir problemas no sêmen e aumentaram sua motilidade. São encontrados em peixes, brócolis, cenoura, linhaça, tomate, berinjela, frutas cítricas e cereais integrais, ostras, feijão e nozes.

Consuma aminoácidos.

Carnes, frutas e legumes possuem esse composto, que aumenta a contagem do esperma e evita que ele se aglomere.

Consuma ácido fólico.

O uso contínuo do ácido fólico contribui para que o homem tenha maior qualidade do sêmen, assim como ajuda na boa maturação do espermatozoide e também dos óvulos.

Estilo de vida:

O modo de viver o dia a dia impacta diretamente na fertilidade masculina. Sendo assim, é possível aumentar a produção de espermatozoides com alguns cuidados:

Álcool e o tabagismo.

A produção de espermatozoides é afetada fortemente pelo consumo de álcool. Da mesma forma, o tabagismo e o uso de drogas ilícitas trazem prejuízos para a qualidade do esperma, e portanto devem ser evitados.

Cuidado com o peso.

Pesquisas mostram que sobrepeso e o excesso de gordura, especialmente na região da barriga, diminuem a produção de esperma e podem causar problemas de ereção. Homens magros demais também podem correr risco de sofrer desequilíbrio hormonal o que impacta negativamente na contagem de esperma.
 

Repouso.

É durante o sono que o corpo realiza a maior parte dos “reparos”, incluindo a produção de esperma. Para melhorar a contagem do sêmen, é recomendado dormir oito horas.

Temperatura dos testículos.

Evite ficar muito tempo exposto ao calor, como em saunas ou banheiras. Os testículos não funcionam adequadamente se não estiverem alguns graus abaixo do que o resto do corpo.

Produtos químicos, tóxicos e radiação.

A exposição à esses produtos podem causar danos permanentes no esperma. Homens que trabalham com o manuseio de produtos químicos e tóxicos devem usar proteção (máscaras, luvas e outros). É importante também evitar locais com radiação intensa, e realizar exames médicos com radiação apenas se realmente necessário.

Telefone Celular.

Alguns estudos sugerem que a radiação emitida pelo aparelho pode prejudicar a vida dos espermatozoides, desta forma, evite carregar o celular no bolso da frente da calça.
 

Roupas apertadas.

As pressões que as roupas fazem nas partes íntimas também podem acarretar numa baixa de esperma. Por isso, o indicado é não usar calças e cuecas justas que podem deixar o canal deferente mais estreito e também aquecer a região genital. Além disso, a elevação da temperatura faz com que o esperma seja produzido lentamente e não com a qualidade esperada. 

Relação Sexual.

A produção de espermatozoides demora cerca de 70 dias, sendo que a fase final, da multiplicação, pode levar até 72 horas. Porém, às vezes esse processo se tornar mais lento e a produção de esperma fica insuficiente para gerar uma gravidez.

Nesse sentido, os médicos recomendam que o casal que quer engravidar mantenha relação sexual em dias alternados, para dar tempo que o estoque de espermatozoide seja reposto naturalmente.

Produção de espermatozoides e a relação com a fertilidade

A fertilidade masculina está diretamente ligada à produção de espermatozoide que afeta o potencial reprodutivo do homem. Sabe-se que nos casais com dificuldades para engravidar naturalmente, 40% dos casos tem causa masculina, 40% feminina e 20% em ambos os lados. 

Neste sentido, é indicado uma avaliação da fertilidade conjugal, sendo que a investigação masculina inicia com espermograma. Além disso, é comum incluir também pesquisa de infecções e de capacitação espermática. Sendo assim, as causas do fator masculino podem ser divididas em quatro categorias: pré-testicular, testicular, pós-testicular e desconhecida:

1 – Pré-testicular

São alterações hormonais que mexem no funcionamento do testículo, como hipotireoidismo, diabetes, tumores produtores de androgênios, tumores da hipófise (adenomas e prolactinomas), doenças sistêmicas do fígado e rins e problemas congênitos. Além disso, algumas drogas e medicamentos como os esteroides anabolizantes, também podem interferir na produção dos espermatozoides por inibir a produção central de gonadotrofinas.

2 – Testicular

Resultado de doenças dos testículos propriamente ditas. Inclui a varicocele, substâncias tóxicas, criptorquidismo, problemas genéticos, quimioterapia, radioterapia e infecções, incluindo DSTs.

3 – Pós-testicular

Problemas que impedem a saída de espermatozoides na ejaculação. São as obstruções ou a ausência do canal deferente, dificuldades de ejaculação, disfunção sexual e ejaculação retrógrada.

4 – Causas desconhecidas

Representam 25% das causas de infertilidade masculina. Além disso, para entender as causas da infertilidade masculina e seu impacto na produção de espermatozoides, é importante também conhecer o histórico do paciente.

Nesse sentido, doenças da infância como caxumba, diabetes, criptorquidia, traumas, torção de testículos e infecções também podem influenciar a produção dos gametas masculino. Além disso, vale lembrar que o uso de drogas, medicamentos e a proximidade com toxinas do meio ambiente podem impactar na produção dos espermatozoides.

Produção de espermatozoides e sêmen: qual é a diferença?

Como já vimos, a produção de espermatozoides é o processo de formação dos gametas masculinos que acontece nos testículos. Um homem saudável produz diariamente entre 100 e 200 milhões de espermatozoides que ficam armazenados no epidídimo. Nesse sentido, essas células reprodutivas são constituídas por uma cabeça, que abriga o núcleo com o DNA paterno, e uma cauda, que facilita a locomoção do gameta sexual masculino até o óvulo.

Quando ocorre uma ejaculação, os espermatozoides são transportados para as vesículas seminais e próstata onde recebem um líquido esbranquiçado, formando o sêmen. Além disso, sua função é nutrir e proteger os espermatozoides durante sua jornada até o trato reprodutivo feminino. Desta forma, o sêmen é o resultado de uma mistura de secreções (plasma seminal) e dos gametas masculinos, sendo que cada centímetro cúbico de sêmen contém milhões de espermas. 

Três curiosidades sobre o sêmen

Como a produção de espermatozoides afeta as chances do casal engravidar?


O objetivo da produção de espermatozoides é gerar células reprodutivas masculinas com potencial de fecundação. Nesse sentido, para que o espermatozoide fertilize um óvulo é necessário que ele tenha formato adequado (oval), movimentos direcionados para reconhecer e aderir ao óvulo, e condições de penetrar no seu interior. Desta forma, o potencial de fertilização do espermatozoide e a sua competência para a fecundação dependem da integração de todas essas propriedades.

Neste sentido, a fecundação humana consiste no encontro do espermatozoide com o óvulo, originando o zigoto, que após sucessivas divisões celulares resultará no embrião. Porém, existem muitas barreiras até o gameta masculino atingir o óvulo, pois o interior do corpo feminino impõe dificuldades para a sobrevivência dos espermatozoides. Desta forma, a produção dos espermatozoides e qualidade do sêmen interferem diretamente nas chances do casal engravidar.

Por isso, é importante que os homens fiquem atentos, desde bem cedo, aos fatores que podem prejudicar a sua fertilidade tais como obesidade, consumo de álcool, medicamentos, drogas e tabagismo. Assim, seguir um estilo de vida saudável, com alimentação correta, exercícios físicos e dormir em média 7 horas por noite pode aumentar as chances de uma gravidez. 

Baixe nosso ebook exclusivo sobre Fertilização in vitro!

Autor: nilofrantz
Publicado há 3 meses

mail_outline
A gente notifica você sempre que tivermos novidades. Deixe seu nome e e-mail.