Como saber se a Inseminação Artificial é indicada para mim?

Como saber se a Inseminação Artificial é indicada para mim?

Entre os tratamentos de fertilidade mais conhecidos estão a inseminação artificial e a fertilização in vitro. Embora o objetivo dos dois tratamentos seja a gravidez, as duas técnicas possuem indicações diferentes.

Mas qual é o tratamento mais indicado para mim?

A escolha do método mais adequado para o tratamento da infertilidade vai depender da avaliação de um médico especializado e da análise do histórico clínico do casal.

Neste texto, você vai conhecer com mais detalhes o método de inseminação artificial e em quais casos é indicado.

Boa leitura!

Fertilização in vitro ou Inseminação artificial

Os métodos de reprodução assistida foram desenvolvidos para ajudar casais com dificuldades para conceber um filho por vias naturais. Embora os dois métodos tenham o mesmo objetivo, eles possuem características específicas e por esse motivo é importante conhecer as especificidades normalmente não é o paciente que escolhe, mas sim o médico devido o problema de infertilidade.

A fertilização in vitro é uma técnica de reprodução assistida em que a fecundação ocorre fora do organismo feminino, em ambiente laboratorial. A técnica consiste no uso de medicamentos que estimulam a ovulação, e posterior colocação dos óvulos liberados num ambiente rico em nutrientes junto aos espermatozóides para que ocorra a fecundação.

Após a fertilização, o óvulo é colocado numa espécie de estufa onde se inicia a divisão celular. Quando se formam os embriões, eles são introduzidos no útero da mulher. Para aumentar as chances de sucesso, geralmente são implantados mais do que um embrião.

Já no caso da inseminação artificial, a fecundação ocorre dentro do organismo da mulher. A técnica da inseminação artificial consiste em coletar o sêmen e introduzi-lo diretamente na cavidade uterina da paciente.

A inseminação artificial é uma das técnicas mais utilizadas para o tratamento da infertilidade tanto masculino quanto feminina.  Além disso, ela provoca poucos efeitos colaterais. Aliás, aqui no blog, temos um texto explicando mais detalhadamente o que é a inseminação artificial.

A taxa de sucesso dos dois métodos são as mesmas, mas a escolha por um deles deve, obrigatoriamente, contar com a participação de um médico especializado em Reprodução Assistida.

O método de inseminação artificial já é a primeira escolha para a maioria dos casais que pretendem realizar um tratamento de fertilidade. Já a fertilização in vitro, geralmente, é indicada para tratar casos de infertilidade conjugal ou para pacientes acima dos 35 anos de idade.

Indicações de Inseminação Artificial

Podemos dividir as indicações de inseminação artificial convencional em três categorias:

Cervical

Nesta categoria, estão incluídos os casos de irregularidade de canal cervical, ausência de muco cervical, fibrose do canal endocervical, fator imunológico detectado no teste pós-coital. Além disso, nesta categoria são levados em consideração outros fatores como, por exemplo, a idade da mulher, tempo de infertilidade e tempo de tratamento decorrido.

Coital

Na categoria coital estão incluídos os casais que não conseguem completar o ato sexual. São casos onde o marido tem impotência sexual, falta de ereção peniana, ejaculação retrógrada, defeitos na anatomia peniana como, por exemplo, hipospádia ou torção peniana por fibrose traumática ou cirúrgica. Além disso, nesta categoria estão incluídos os casos onde a mulher tem problemas de vaginismo ainda não tratado.

Espermática

Nesta categoria estão incluídos os casos de alterações hormonais ou fisiológicas que envolvem a quantidade de espermatozóides, como oligospermia, onde não são produzidos espermatozóides suficientes (menos de 20 milhões por ml), astenospermia, onde se verifica a existência de menos de 25% de espermatozóides de motilidade direcionais rápidos e/ou menos de 50% de espermatozóides de mobilidade direcionais lentos e direcionais rápidos.

Outros casos incluídos nesta categoria podem ser a hipospermia, teratospermia ou a associação entre um ou mais dos fatores espermáticos mencionados.

Em que casos é indicada inseminação artificial?

Para simplificar, podemos dizer que a inseminação artificial consiste em duas técnicas distintas, utilizando o sêmen do casal ou utilizando o sêmen de doador.

Sêmen do casal

Geralmente é indicado para os seguintes casos:

Sêmen de doador

Esse tipo de inseminação artificial, geralmente, é indicado nos seguintes casos:

Considerações finais

Como podemos ver ao longo deste artigo, tanto a fertilização in vitro como a inseminação artificial apresentam a mesma taxa de sucesso. No entanto, os dois métodos possuem características próprias e são indicados para diferentes diagnósticos.

Enquanto na fertilização in vitro a fecundação ocorre fora do organismo da mulher, na inseminação artificial os embriões são introduzidos no útero. Ambos os tratamentos são indolores e não apresentam qualquer efeito colateral.

A escolha entre os dois métodos deve ser realizada em conjunto com o médico para que ele possa optar pelo tratamento mais adequado para cada caso.

Se você achou que o nosso post te ajudou a conhecer um pouco mais sobre a inseminação artificial, clique aqui e conheça as melhores técnicas da Medicina Reprodutiva no Brasil.

O nosso compromisso maior é gerar possibilidades para a vida.

Autor: nilofrantz
Publicado há 4 meses

mail_outline
A gente notifica você sempre que tivermos novidades. Deixe seu nome e e-mail.

As pessoas também estão lendo...