Fim da dúvida: ovário policístico tem cura?

Fim da dúvida: ovário policístico tem cura?

A Síndrome dos Ovários Policísticos, ou SOP, é uma das principais causas da infertilidade feminina.

A doença consiste em um desequilíbrio hormonal na mulher, podendo alterar o ciclo menstrual, causar problemas de pele e ocasionar pequenos cistos nos ovários, dificultando ou até impossibilitando  a gravidez.

A Síndrome dos Ovários Policísticos se manifesta de diversas maneiras e por esse motivo, o seu tratamento deve ser personalizado e realizado sob orientação médica.

Pensando nisso, preparamos este artigo para que você conheça o que são ovários policísticos, os principais sintomas e possíveis tratamentos.

Boa leitura!

O que são ovários policísticos?

A Síndrome do Ovário Policístico, também conhecida como SOP, é um distúrbio endócrino que provoca dos níveis hormonais, levando o formação de cistos nos ovários, fazendo com que eles aumentem de tamanho.

A doença atinge cerca 7% da população feminina, segundo apontam os dados da Diretriz Brasileira sobre a SOP, realizada em 2017.

Apesar de possuírem características semelhante, é importante destacar que a presença de cistos no ovário não é o mesmo que ter a síndrome do ovário policístico. É fundamental fazer essa distinção, já que isso altera o tipo de tratamento que deve ser aplicado.

Para distinguir entre as duas patologias, é necessário avaliar alguns fatores clínicos, laboratoriais e de imagem, para analisar o tamanho e o número de cistos presentes.

Sintomas

O principal sinal da síndrome de ovários policísticos é a falta crônica ou deficiência da ovulação. 

A SOP é uma doença que pode causar graves danos à saúde da mulher, como diabetes, alterações do colesterol, aumento de peso e da pressão arterial, além de impossibilitar a gravidez. 

Também existem outros sintomas que podem ajudar a identificar a doença, tais como:

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico de SOP só deve ser definido quando, pelo menos, dois dos três critérios citados seguidamente estão presentes: aumento da produção de hormônios masculinos, período menstrual irregular e exames de imagem que acusem a presença do ovário policístico. 

O diagnóstico da SOP é realizado através de anamnese, exame físico além de exames de imagem, como ultrassonografia transvaginal e exames de sangue.

Para obter um diagnóstico mais preciso, o ultrassom deve ser realizado entre o terceiro e o quinto dia do ciclo menstrual, para que o médico possa avaliar a quantidade de folículos presentes ao mesmo tempo na superfície de cada ovário.

Além disso, o médico poderá solicitar alguns exames para avaliar os seguintes fatores:

Como prevenir?

Existem alguns cuidados que podem ajudar a prevenir o surgimento da doença, principalmente para as mulheres com histórico familiar de SOP ou que fazem parte do grupo de risco, como mulheres que estão acima do peso, apresentando glicemia, pressão arterial e taxa de colesterol elevadas.

A principal recomendação, no sentido de prevenir a doença, é fazer um acompanhamento ginecológico adequado e levar uma vida saudável, com uma dieta equilibrada e atividades físicas.

Por último, se você identificar algum dos sintomas da doença, procure um especialista para realizar os exames necessários.

Tratamento

A escolha do melhor tratamento para a síndrome dos ovários micropolicísticos dependerá dos sintomas que a mulher apresenta e se ela deseja ou não gestar. Cabe ao médico avaliar o melhor tratamento, mas para isso é fundamentalmente questionar se a paciente deseja engravidar.. 

Os principais tratamentos existentes para SOP, são:

Uso de anticoncepcionais 

A pílula anticoncepcional pode ajudar a melhorar os sintomas, como: aumento de pelos, aparecimento de espinhas, irregularidade menstrual e cólicas. 

Mulheres que sejam proibidas de tomar a pílula podem realizar tratamentos à base de progesterona. 

Mas, vale lembrar que os anticoncepcionais vão impossibilitar a gravidez durante o uso.

Cirurgia

Cada vez menos utilizada, a cirurgia consiste na remoção dos cistos. O tratamento está cada vez mais obsoleto, já que atualmente existem tratamentos menos invasivos e com melhores taxas de sucesso. 

Antidiabetogênicos

A SOP está associada à resistência à insulina, um dos tratamentos complementares é por meio de medicamentos para diabetes.

Dieta e atividade física

A dieta e a prática constante de atividades físicas são essenciais para o tratamento da SOP, principalmente para mulheres que estão acima do peso.

Indução da ovulação

Se a mulher tiver intenções de engravidar, é possível que o médico recomende um tratamento de indução da ovulação. 

Considerações finais

A SOP é uma doença bastante comum que atinge cerca de 10% da população feminina em idade fértil.

A doença dificulta e, por vezes, pode até mesmo impossibilitar a gravidez natural

Além disso, vimos que apesar de possuírem características semelhantes à presença de cistos no ovário, não indica, necessariamente, a Síndrome de Ovários Policísticos. 

Para distinguir entre as duas, é necessária a realização de alguns exames clínicos e ginecológicos específicos, que devem ser solicitados pelo seu ginecologista.

A doença tem cura sim, no entanto, é indispensável obter um diagnóstico preciso de um especialista, que é o profissional mais qualificado para avaliar o caso e propor o tratamento mais adequado.

Se você achou que o nosso post ajudou você a conhecer mais sobre a síndrome do ovário policístico, clique aqui e conheça as melhores técnicas de medicina reprodutiva do Brasil.

O nosso compromisso maior é gerar possibilidades para a vida.

Autor: Dra. Daiane Pagliarin - CRM 30423
Publicado há 1 mês

mail_outline
A gente notifica você sempre que tivermos novidades. Deixe seu nome e e-mail.