Como a mulher deve se preparar para inseminação artificial?

Como a mulher deve se preparar para inseminação artificial?

A inseminação artificial é um dos tratamentos de infertilidade mais populares.  O procedimento é relativamente simples e não apresenta quaisquer efeitos colaterais.

Mas para que os resultados esperados sejam positivos, é necessário escolher uma clínica com uma boa taxa de sucesso que possa fazer o acompanhamento e a preparação adequada para a realização do procedimento.

Pensando nisso, preparamos este post para que você conheça como a mulher deve se preparar para a Inseminação Artificial.

Boa leitura!

O que é a Inseminação Artificial?

A Inseminação Artificial é um tratamento de infertilidade muito comum, aplicado em casos de infertilidade masculina e feminina.

O tratamento consiste na introdução dos espermatozóides no útero, com o objetivo de realizar a fecundação do óvulo. A técnica é bastante usada, já que possui pouquíssimos efeitos colaterais.

O processo de inseminação artificial consiste em cinco etapas:

Estimulação ovariana

Durante esta etapa, são realizadas ultrassonografias  e verificados os níveis de estradiol no sangue, para comprovar o crescimento e evolução dos folículos.

Maturação dos óvulos

Após comprovação de que os folículos alcançaram o tamanho adequado, a inseminação é programada para aproximadamente 36 horas depois da administração de uma injeção de hCG, que induz à maturação do óvulo.

Preparação do sêmen

Geralmente, esta etapa é realizada algumas horas antes da inseminação programada, e consiste na coleta do sêmen por meio de masturbação e posterior preparação em laboratório, para melhorar e aumentar seu potencial de fecundação ao serem introduzidos no útero.

Inseminação

Por fim, os espermatozóides qualificados são introduzidos no interior da cavidade uterina, através de um cateter.

No entanto, para realizar o tratamento de inseminação artificial, é necessário fazer uma preparação, como veremos no tópico seguinte:

Como se preparar para a inseminação artificial

A introdução dos espermatozóides no útero da mulher ocorre no dia da ovulação. Mas antes disso, o casal passa por uma preparação, acompanhados por um especialista, que realizam a estimulação ovariana.

No mesmo dia da realização da injeção, algumas horas antes, o homem deve coletar uma amostra de sêmen, que ocorre através de masturbação. É importante lembrar que é recomendado respeitar um período de 2 a 5 dias de abstinência sexual, para obter uma melhor qualidade espermática.

Depois da coleta do material, ele é enviado para o laboratório onde é realizado o processamento seminal, com o objetivo de selecionar e concentrar apenas os espermatozóides de melhor qualidade. Chamamos a esse método de preparação seminal.

Nos casos em que o homem é infértil ou nos casos de relações homoafetivas, o sêmen pode vir da doação de um banco de sêmen.

No caso das mulheres, a preparação passa pela estimulação ovariana, com o objetivo de estimular os ovários a produzirem os folículos ovarianos. Para isso, é administrado na mulher a medicação hormonal (Clomifend e/ou FSH) no início do ciclo menstrual, em doses diárias durante 10 dias.

Esses hormônios podem ser administrados por via oral ou subcutânea, através de injeções. Durante esses dias, o médico vai acompanhar o desenvolvimento dos folículos por meio de ecografias.

Quando estes atingem o tamanho ideal (18 mm), é administrado um segundo hormônio, nesse caso o hCG, ou gonadotrofina coriônica humana. O hCG é responsável por fazer o óvulo amadurecer e romper o folículo, cerca de 36 horas após a administração.

Assim que alguns folículos atingirem o tamanho de 18 mm, um segundo hormônio é aplicado, o hCG (gonadotrofina coriônica humana). Essa substância fará o óvulo amadurecer e romper o folículo depois de 36 horas, em média.

É nesse momento que os espermatozóides, depois de coletados e processados, são inseminados no corpo feminino.

A partir daí, os espermatozóides do homem são introduzidos na mulher através de inseminação intracervical ou intrauterina, como explicamos no tópico anterior.

Por recomendação médica, após 14 dias do procedimento, deve ser realizado um teste de gravidez, mas também é importante lembrar que durante esse período, é essencial que a mulher esteja fazendo suplementação de ácido fólico.

Caso o procedimento não obtenha sucesso, o especialista poderá indicar outros métodos, como a fertilização in vitro (FIV).

Considerações finais

Como vimos ao longo deste post, a inseminação artificial é um procedimento relativamente simples, com pouquíssimos efeitos colaterais e uma alta taxa de sucesso.

No entanto, para que os resultados do tratamento sejam positivos, é necessário escolher uma clínica especializada e fazer uma preparação adequada.

Para saber mais sobre a inseminação artificial, sugiro a leitura do seguinte post:

O que é e como funciona a inseminação artificial

Se você achou que o nosso post te ajudou a conhecer um pouco mais sobre como se preparar para a inseminação artificial, clique aqui e conheça as melhores técnicas da Medicina Reprodutiva no Brasil.

O nosso compromisso maior é gerar possibilidades para a vida.

Autor: nilofrantz
Publicado há 3 meses

mail_outline
A gente notifica você sempre que tivermos novidades. Deixe seu nome e e-mail.

As pessoas também estão lendo...