Clinica Check up da fertilidade
06/02/2019

As pessoas estão acostumadas a fazer anualmente um check up da saúde, mas poucos sabem da importância de fazer o check up da fertilidade . Mesmo que ter  filhos seja um plano lá para o futuro, é importante que homens e mulheres acompanhem desde cedo seu potencial reprodutivo para não serem pegos de surpresa mais tarde. Uma avaliação periódica pode evitar problemas, detectar doenças tratáveis e ajudar pacientes a se planejarem para o momento que decidirem se tornar pais.

 

O Dr. Marcelo Ferreira, especialista da Nilo Frantz Medicina Reprodutiva explica a importância do check up da fertilidade:

 

1) O que é Check up da fertilidade?

É uma avaliação completa para verificar e acompanhar o potencial reprodutivo  de homens e mulheres para que estejam aptos a gerar um filho quando assim decidirem.

A postergação da maternidade já é uma realidade do mundo moderno,  percebemos que as mulheres estão pensando em ter filhos cada vez mais tarde. A gravidez tardia é possível mas necessita ser planejada já que após os 35 anos a fertilidade cai e as dificuldades podem aumentar.

 

2) Como funciona o check up da fertilidade para homens e mulheres?

O check up da fertilidade começa com uma consulta com o médico,  ginecologista para mulheres e urologistas para os homens. Nesta conversa  o médico vai conhecer melhor o paciente, saber seu  histórico familiar,  estilo de vida, se há hábitos como alcoolismo ou tabagismo. Ele também vai verificar se há presença de doenças crônicas como diabetes, hipertensão, etc.

No caso da mulheres a avaliação vai verificar também se há sinais de endometriose, ovários policísticos, infecções pélvicas e DSTs que podem comprometer a fertilidade.  A idade e reserva ovariana também são questões  determinantes quando se fala em reprodução.

No caso dos homens, existe a preocupação com possíveis infecções, se houve problemas com os testículos no nascimento, problemas urológicos, caxumba, medicações.

A profissão também pode ser um fato relevante quando se avalia o homem. Atividades que expõe o homem a uma temperatura muito alta, perto de fornos por exemplo, pode prejudicar os testículos  e assim afetar sua fertilidade .

Um dos principais exames do check up masculino é o espermograma que faz uma analise do sêmen,  avalia a quantidade, a concentração, motilidade e a forma.

 

3) O que é  reserva ovariana?

O termo reserva ovariana é usado para expressar a quantidade  de óvulos que a mulher tem nos ovários. É um termo cunhado inicialmente para a reprodução assistida e que hoje se extrapola para uma avaliação mais geral da mulher.

Existem dois marcadores que avaliam a reserva ovariana:  contagem de folículos antrais , exame feito através de ecografia que mostra o número de folículos nos ovários,  e  o anti-mülleriano , exame de sangue que também faz a contagem do número de folículos onde estão os óvulos.

Estes dados são determinantes pois a curva da reserva ovariana vai decrescendo com o avanço da idade, ou seja, o número de óvulos diminui com o passar dos anos. Então a mulher  que quer engravidar com uma idade mais avançada tem que ter a “sorte biológica” de estar acima da média na questão reserva ovariana.

 

4) O fator genético influência de alguma forma  o potencial reprodutivo? Se a avó e a mãe de um mulher engravidaram facilmente aos 35 anos significa a ela também  não terá  dificuldades?

Sim , existe uma correlação biológica não absolutamente linear entre a mãe e a filha. Uma das perguntas que a gente sempre faz quando está avaliando uma mulher que quer engravidar é em que idade a mãe dela entrou na menopausa.

Mães que entraram cedo na menopausa podem ter filhas que também  tenham uma vida reprodutiva abreviada.

Então, se eu avalio uma  mulher e vejo que ela já tem uma reserva ovariana diminuída  e ela me diz que a mãe entrou em menopausa cedo sem ter passado por nenhuma intervenção como ligadura de trompas, cirurgia em ovários, a fisiologia desta mãe me diz que o mesmo pode ocorrer com a filha. Assim temos que ficar ainda mais atentos com esta paciente. Se ela postergar muito a maternidade talvez pague um preço caro. É preciso contextualizar cada  mulher na  sua biologia.  Embora a vida moderna tenha mudado o comportamento das mulheres, a fisiologia do ovário não acompanhou esta mudança, e não existe botox para ovário.

 

5)No quesito idade, o homem tem uma fertilidade maior do que a mulher?

Sim, no fator idade o homem é mais fértil do que a mulher, mas o mito existente é que ele vai seguir fértil para sempre no mesmo patamar de quando era jovem, o que não é verdade.

A mulher, por volta dos 35 anos tem a metade da fertilidade que tinha aos 25 anos. O homem por volta dos 60, 65 anos tem a metade da fertilidade que tinha aos 40. Ou seja, existe sim um declínio mas esta curva é mais tardia .

 

6) A partir de que idade a mulher pode congelar óvulos? É importante para quem vai se submeter a uma quimioterapia preservar sua fertilidade?

O congelamento de óvulos é  uma alternativa para quem quer postergar a chance de engravidar mais tarde.  Quanto mais jovem for a mulher, melhor a chance que ela  tem de engravidar com seus óvulos congelados. O ideal é que isto seja feito  antes dos 35 anos, mas o quanto antes melhor . A partir desta idade ainda podemos congelar óvulos,  mas as chances de uma gravidez vão decrescendo.

 

7) Quanto tempo os óvulos podem ficar congelados ?

Os óvulos podem ficar congelados por tempo indeterminado. Não existe hoje um tempo limite.

 

8) Uma mulher que tem óvulos congelados e entra na menopausa ainda pode ter filhos com esses óvulos?

Sim, pode. Na menopausa ela não tem mais óvulos , mas ainda tem útero que pode ser preparado para receber um embrião. Neste caso o óvulo será descongelado, fertilizado com o esperma do parceiro (ou de banco de espermas) e o útero preparado para receber o embrião.

Clinica Como ficar sabendo se tenho endometriose?
25/04/2018
Existem alguns exames chamados não-invasivos que levantam a suspeita da presença de uma endometriose. Um dos mais utilizados é a ultra-sonografia (ou ecografia). Trata-se de método diagnóstico freqüentemente solicitado e que tem a capacidade de detectar cistos de endometriose (endometriomas), principalmente quando medem mais que 1,0 cm e se situam no ovário. O espessamento e/ou a invasão de órgãos acometidos, como é o caso da bexiga e do intestino, podem também ser verificados. Mais recentemente a ressonância magnética vem sendo solicitada como método de imagem útil para o diagnóstico e o estadiamento da doença, sobretudo nos casos de endometriose do septo reto-vaginal (chamada no passado de endometriose profunda).
Níveis sanguíneos elevados do marcador Ca 125 também podem reforçar a suspeita da existência de endometriose. Entretanto, este exame poder ter seus níveis alterados na vigência de outras alterações, apresentando assim uma baixa especificidade. Dentre as formas atualmente disponíveis para se diagnosticar a endometriose nenhum é tão preciso quanto a vídeolaparoscopia, sendo por isto considerada como o “padrão ouro” para o seu diagnóstico. Realizada em ambiente hospitalar e sob anestesia geral a vídeolaparoscopia (ou simplesmente a “vídeo”) permite a detecção e o tratamento através da cauterização de focos, da ressecção de endometriomas ou simplesmente desfazendo cicatrizes (lise de aderências). A análise microscópica dos fragmentos biopsiados ou retirados confirma o diagnóstico histopatológico da doença.
EnglishPortugueseSpanish