Nilo Frantz - Centro de Reprodução Humana - Como avaliar se as trompas estão normais ou não?
Clinica Como avaliar se as trompas estão normais ou não?
26/04/2018
Basicamente existem 2 métodos diagnósticos capazes de verificar a funcionalidade das trompas uterinas: Histerossalpingografia: exame radiológico realizado por Hospitais e clínicas de diagnóstico por imagem que, após a introdução de um líquido de contraste radiopaco, permite a visualização e a documentação da passagem do mesmo pelo aparelho reprodutivo, simulando o trajeto percorrido pelo sêmen. Através da histerossalpingografia analisa-se o canal cervical, a cavidade do útero, a permeabilidade das trompas e a dispersão do contraste no abdome.
Trata-se de um exame de difícil interpretação, muitas vezes variando muito o diagnóstico emitido de profissional para profissional. Outra limitação é o não seguimento dos corretos preceitos técnicos para a sua correta realização. As queixas de desconforto ou dor por parte das pacientes submetidas a este exame não são raras. Apesar disto, ainda hoje consiste em um exame muito solicitado para a avaliação do fator tubário.

Vídeolaparoscopia: exame realizado em ambiente hospitalar que, sob anestesia geral, permite visualizar através de imagens o interior do abdome e identificar a anatomia do aparelho reprodutivo. É o exame mais preciso para avaliar a integridade das trompas e diagnosticar uma série de anormalidades, como é o caso da endometriose. Trata-se de um exame realizado em ambiente hospitalar e que requer anestesia geral.

  • Institucional
    Nilo Frantz Medicina Reprodutiva em peso no congresso da SBRA
    02/08/2018
  • Clínica
    Infertilidade x Esterilidade
    14/08/2018
Clinica O que leva as trompas a ficarem obstruídas?
25/04/2018

Grande parte dos casais que buscam auxílio médico para engravidar tem como diagnóstico da infertilidade, o fator tubário. A obstrução das trompas é causada mais comumente por endometriose, pela formação de aderências (cicatrizes) após cirurgias, pelas infecções pélvicas ocasionadas por microorganismos como a clamídia ou pela ligadura (laqueadura) tubária. No Brasil tem se verificado nos últimos anos um aumento no número de casos de mulheres que realizaram a cirurgia de ligadura tubária e, por motivos diversos, acabam desejando novamente ter um novo bêbe.

  • Institucional
    Nilo Frantz Medicina Reprodutiva em peso no congresso da SBRA
    02/08/2018
  • Clínica
    Infertilidade x Esterilidade
    14/08/2018
Clinica O que são trompas uterinas e qual a sua função
25/04/2018

As trompas são duas estruturas finas e delicadas situadas na região superior do útero. Têm como finalidade receber o óvulo liberado durante o fenômeno da ovulação e permitir o seu encontro com o espermatozóide, ou seja, é dentro das trompas que ocorre a fecundação natural (in vivo). Durante o período fértil devem colaborar para a ascensão dos espermatozóides e, após a fecundação devem fazer com que o embrião recém-fecundado seja nutrido e role impulsionado pelo movimento de milhares de cílios que a revestem internamente em direção à cavidade do útero.

  • Institucional
    Nilo Frantz Medicina Reprodutiva em peso no congresso da SBRA
    02/08/2018
  • Clínica
    Infertilidade x Esterilidade
    14/08/2018
Clinica Por que as alterações nas trompas impedem ou dificultam a gravidez?
25/04/2018

Inflamações, infecções, cirurgias e cicatrizes não só afetam a permeabilidade tubária, ocasionando uma obstrução uni ou bilateral, mas também lesam os seus cílios e, assim, a sua capacidade de transporte. As células que revestem internamente as trompas devem também secretar um muco nutritivo, responsável pela nutrição do embrião nos seus primeiros dias após a fecundação. Esta função encontra-se muitas vezes prejudicada. Outro problema observado é a perda da capacidade da extremidade tubária de se voltar para o ovário e “abraçá-lo”, não podendo assim receber o óvulo por este liberado. O que se vê muitas vezes são trompas fixas e distantes dos ovários, direcionadas para um sentido oposto ao que se encontra o ovário. As alterações podem ser leves e responsáveis por uma demora maior para engravidar. Mas, freqüentemente as lesões são severas e impedem completamente a ocorrência da gestação.

  • Institucional
    Nilo Frantz Medicina Reprodutiva em peso no congresso da SBRA
    02/08/2018
  • Clínica
    Infertilidade x Esterilidade
    14/08/2018
EnglishPortugueseSpanish