Cada vez mais a tecnologia e a medicina reprodutiva têm andado de mãos dadas para contribuir com o sonho da maternidade, mas quando há casos em que mulheres não podem gestar, aparece aquela pessoa que se solidariza e se dispõe a emprestar seu útero para que o casal possa ter um filho com seu próprio material genético.
O útero de substituição é um grande ato de amor que deve seguir a resolução do Conselho Federal de Medicina e uma avaliação criteriosa dos especialistas das clínicas de reprodução humana