Nos meses de agosto e setembro, o Centro de Reprodução Humana Nilo Frantz estará realizando uma nova série de tratamentos de fertilização pela técnica de maturação in vitro de óvulos, mais conhecida pela sigla de origem inglesa IVM (in vitro maturation).

A maturação in vitro é uma técnica de reprodução assistida especialmente recomendada para mulheres com ovários policísticos, já que para elas, a estimulação ovariana com hormônios injetáveis, comum na fertilização in vitro clássica (FIV), pode ser prejudicial. Algumas pacientes acabam desenvolvendo um quadro conhecido como “Síndrome da Hiperestímulação Ovariana”, uma complicação que ocorre em aproximadamente 5% dos casos e que causa dor, inchaço abdominal, náuseas, vômitos e dificuldade respiratória, sendo necessária até mesmo a hospitalização. Como na IVM não há uso de hormônios injetáveis este risco não existe.

O conceito da técnica IVM não é novo, mas só recentemente, com a evolução dos equipamentos de ultrassonografia, de materiais apropriados e, principalmente, de meios de cultura específicos para este fim, é que foram obtidas taxas de gestação animadoras. O Centro de Reprodução Nilo Frantz começou a desenvolver a IVM em 2005 e a primeira gestação ocorreu em 2007, o que resultou no nascimento de Nicole Vitória, o primeiro bebê por IVM do Brasil. Desde então vários casais tiveram filhos com auxílio desta técnica. As maiores beneficiadas são as mulheres, uma vez que podem realizar o ciclo de fertilização in vitro sem a necessidade do uso de injeções hormonais diárias.

PARA QUEM É INDICADO A IVM
* Casais com indicação de FIV em que a mulher tem ovários policísticos (micropolicísticos) e menos de 35 anos;
* Mulheres com ovários policísticos que não tiveram resposta aos comprimidos indutores da ovulação (como por exemplo o citrato de clomifeno);
* Mulheres que já tentaram a fertilização in vitro e apresentaram episódio(s) de Síndrome de Hiperestimulação Ovariana.

SAIBA COMO É
1 – Os óvulos são retirados do ovário ainda imaturos através de uma punção com anestesia. Colocados em placa de cultivo, são mantidos durante 24 a 48 horas em condições que reproduzem, em laboratório, as condições ideais para a sua maturação;
2 – Quando os óvulos atingem o seu amadurecimento estão prontos para serem então fertilizados com os espermatozóides ;
3 – Depois de alguns dias , os embriões são colocados no útero da futura mãe, de forma similar ao que acontece nos ciclos convencionais de fertilização in vitro.

VANTAGENS DA IVM PARA QUEM TEM INDICAÇÃO MÉDICA
* O custo final do tratamento é menor em relação à FIV tradicional;
* A paciente não precisa se submeter à rotina de injeções de hormônios;
* Elimina por completo o risco de ocorrer a Síndrome de Hiperestimulação Ovariana;
* Acompanhamento mais simples, sendo necessário um menor número de idas ao médico, o que facilita o atendimento de casais de cidades e Estados que não contam com serviços especializados.