Espermograma (ou espermocitograma)
Exame realizado para avaliar o sêmen. Dentre os diversos parâmetros estudados estão: a concentração (número de espermatozóides em cada mililitro de ejaculado, a morfologia (proporção de espermatozóides com forma normal ou alterada) e a mobilidade (maneira como os espermatozóides se deslocam).
Este exame pode ser disponibilizado por laboratórios de análises clínicas/ patológicas ou na própria instituição (clínica ou hospital) dedicada ao tratamento da infertilidade.
Teste de fragmentação do DNA espermático

Exame que quantifica o percentual de espermatozóides que contém anomalias no seu DNA. Quanto maior for este percentual, maior será o comprometimento do material genético e, portanto, pior será a qualidade do sêmen.

Dosagens hormonais

Através da coleta de sangue é possível avaliar a produção de vários hormônios. Os mais comumente dosados são: Testosterona, FSH e LH.

Ultrassonografia ou Ecografia Testicular (de Bolsa Escrotal)

Exame de diagnóstico por imagem solicitado para avaliar o aparelho reprodutor masculino, principalmente alterações nos testículos ou nos vasos sanguíneos que os nutrem (pesquisa de varicocele, por exemplo).

Punção (ou biópsia) de testículo

Nos casos de ausência de espermatozóides no sêmen ejaculado (azoospermia), pode ser necessária uma punção ou biópsia dos testículos para verificar se há ou não há a produção de espermatozóides.