testosterona-x-fertilidadeDesde o final dos anos 80 e início dos 90, tem-se percebido um aumento no uso de testosterona e seus derivados por homens em todas as faixas etárias. Existem diversos estudos comprovando os benefícios da reposição de testosterona na saúde masculina, porém o uso indiscriminado está associado com importantes malefícios. Há indicações precisas para uso de testosterona que já estão estabelecidas pelas principais sociedades médicas brasileiras e internacionais. Inclusive, a agência reguladora de saúde no Brasil permite que a venda destas medicações seja exclusivamente através de receita médica, bem como deve constar a indicação da utilização, comprovando o quanto restrito é a sua utilização.

Homens em idade fértil ou que desejam ter filhos devem ter muito cuidado com o uso de testosterona. Muitas vezes, o objetivo de ganhar massa muscular em curto prazo, o culto ao corpo ou até mesmo a tentativa de melhorar o rendimento corporal faz com que homens utilizem a testosterona como forma de obtenção destes resultados. Também existem homens com algumas doenças que podem cursar com níveis baixos de testosterona, que irão necessitar de reposição hormonal. No entanto, a elevação artificial dos níveis sanguíneos de testosterona podem trazer efeitos negativos na sexualidade e fertilidade masculina. Isto, pois a produção endógena, do próprio organismo, de testosterona pode ser suprimida pela introdução externa de testosterona. Desta forma, após a suspensão do uso da testosterona, o corpo não consegue reassumir a sua própria produção, levando a níveis baixos ou muito baixos de testosterona. Como consequência, podem apresentar disfunção erétil e/ou alterações da fertilidade.

Algumas vezes, estes efeitos deletérios podem ser prolongados ou definitivos, porém na maioria das situações são transitórios e reversíveis. Existem diversas formas de testosterona, sendo que as injetáveis são as mais perigosas. Entretanto, qualquer que seja a forma do uso da testosterona, o efeito sobre a produção do próprio corpo será sempre o mesmo, ou seja, supressivo.

Por estas razões, todo e qualquer uso de testosterona deve ser indicado e manejado por um médico especialista, principalmente por aqueles homens que desejam ter filhos.

 

Texto: Dr. Caio Schmitt – Urologista